• Ortodontia
  • Prótese Dentária
  • Oclusão

Ortodontia

A Ortodontia é a especialidade da Medicina Dentária que se dedica ao diagnóstico, prevenção e tratamento de um conjunto de anomalias de posição dos dentes e dos maxilares. Os aparelhos exercem uma força leve sobre os dentes que os leva a moverem-se para o local desejado. As causas dos problemas ortodônticos podem ser hereditárias, ambientais (uso de chupeta, respiração bucal, perda precoce de dentes) ou uma combinação das duas.

O primeiro factor a ter em conta, é a avaliação da idade e o tipo de anomalia. Antes de qualquer tratamento é realizada uma análise de radiografias, modelos e fotografias bem como da história clínica e familiar. Este estudo é que irá determinar o tipo e a duração aproximada do tratamento.

Todas as crianças devem ter a sua primeira consulta de ortodontia por volta dos 6-7 anos de idade, após a erupção dos primeiros dentes definitivos, para avaliar a necessidade de tratamento. Existem casos que apresentam problemas de mau relacionamento das bases ósseas e que podem ser tratados através do estímulo, inibição ou redireccionamento do seu crescimento. Como este tipo de tratamento só pode ser realizado durante o período em que este crescimento se verifica, é de extrema importância o seu diagnóstico precoce. No entanto, qualquer pessoa com problemas ortodônticos pode beneficiar de um tratamento ortodôntico na idade adulta.

Dra. Cecília Martins - médica dentista

Licenciatura em Medicina Dentária pela FMDUP; Especialização em Ortodontia.

Dra. Filipa Terroso - médica dentista

Licenciatura em Medicina Dentária pela FMDUP; Especialização em Ortodontia.

Prótese Dentária

Poucas pessoas conseguem sorrir, conversar ou mostrar confiança com naturalidade quando apresentam defeitos dentários evidentes. A cor escura dos dentes destruídos, os buracos negros visíveis pela sua ausência ou os dentes que abanam, são condições que muitas vezes determinam o comportamento interpessoal e diminuem drasticamente a auto-estima individual. Actualmente este tipo de problemas pode ser facilmente ultrapassado através de procedimentos simples e bastante variados.

As próteses removíveis, por exemplo, são soluções rápidas e económicas de evitar a aparência envelhecida que a face mostra na ausência de dentição.

Por seu turno, a colocação de coroas de cerâmica sobre dentes que estão muito escuros ou destruídos ou sobre raízes artificiais, chamadas implantes, permitem aos dentes ficarem fixos e oferecem uma estética e conforto tão elevados que é difícil distingui-los dos naturais.

A empatia que um sorriso pode provocar, quer seja no ambiente familiar, profissional ou junto do habitual grupo de amigos, é determinante na influência e sucesso que cada um tem perante os demais.

Dr. André Fonseca - médico dentista

Licenciatura em Medicina Dentária pela FMDUP; Especialização em Implantologia.

Dra. Joana Lameiro - médica dentista

Licenciatura em Medicina Dentária pela FMDUP; Especialização em Implantologia e Oclusão.

Oclusão


O que são as Articulações Temporomandibulares?

As Articulações Temporomandibulares, mais facilmente chamadas de ATMs, são duas articulações que funcionam em conjunto fazendo a ligação da mandíbula ao osso temporal. Juntamente com os ligamentos e músculos da face e da cabeça, são responsáveis por todos os movimentos que a mandíbula faz, permitindo levar a cabo funções tão importantes como falar, mastigar ou deglutir.

Por outro lado, o correcto funcionamento destas articulações está intimamente ligado à forma como os dentes se relacionam entre si. Podemos imaginar um tripé e fazer uma certa analogia em que as duas articulações são um dos pés, o 2º pé corresponde a todos os músculos da face, cabeça e pescoço e o 3º pé são os dentes. Com isto percebe-se que se os dentes não estiverem equilibrados com as articulações e com o sistema muscular, vai haver uma sobrecarga das estruturas o que pode levar a um mau funcionamento do conjunto.


Quais são as patologias destas articulações?

A patologia relacionada com estas articulações pode ser de vários tipos e são normalmente chamadas de Desordens Temporomandibulares (DTMs). São problemas relacionados com as ATMs propriamente ditas, mas também problemas relacionados com todas as estruturas que lhe estão associadas, como seja todo o sistema muscular da cabeça e pescoço. Este grupo de doenças são a principal causa de dor crónica da face e cabeça. Há estudos que mostram que 75% da população apresenta sinais de patologia e que cerca de 35% tem dor crónica na zona da face, das articulações ou da cabeça. Dor essa que interfere, muitas vezes de forma limitativa, com as actividades diárias.

Alguns dos sinais e sintomas indicativos de patologias da ATM são:

  • Ouvir sons ou estalidos quando se abre e fecha a boca
  • Dor ao abrir a boca, falar ou mastigar
  • Dificuldade em abrir a boca ou em fechar depois de ter aberto
  • Dores na face ou na região das ATMs (à frente dos ouvidos)
  • Dores de cabeça ou no pescoço frequentes
  • Ouvir zumbidos ou ter a sensação de ouvidos tapados
  • Sensação de cansaço facial ao acordar
  • Ter desgaste dentário e hábito de apertar ou ranger os dentes (Bruxismo)

Qual é a causa das Desordens Temporomandibulares? (DTMs)

Uma das causas frequentes para o aparecimento de patologia das articulações, são os traumatismos: acidentes de carro, boladas na face ou quedas com o queixo. Adicionalmente o stress, hábitos parafuncionais como usar chiclets com frequência, ranger ou apertar os dentes (hábito chamado Bruxismo), ausência de dentes sobretudo posteriores e dentes com oclusão errada (ou seja, que não engrenam de forma correcta), roer as unhas ou passar muito tempo em más posturas (como seja a trabalhar ao computador) são situações que criam elevados níveis de tensão muscular e articular e estão muito relacionadas com o aparecimento de DTMs.


Como se tratam?

Os tratamentos são muito diversos, mas normalmente incluem o uso de goteiras de oclusão e uma forte vertente de consciencialização do paciente.
A goteira impede que os dentes superiores contactem com os inferiores, evitando o Bruxismo (hábito de apertar ou ranger os dentes) e permitindo que haja um relaxamento de toda a musculatura facial e também uma redução da força exercida sobre as articulações.
A consciencialização do paciente também é fundamental, pois toda esta patologia está muito relacionada com sistema nervoso e sobrecarga das estruturas. Tudo o que o paciente possa fazer para controlar a tensão, corrigir as posturas, evitar hábitos nocivos como chiclets que obrigam a um trabalho exagerado, facilitará seguramente o tratamento das Desordens Temporomandibulares.

Dra. Joana Lameiro - médica dentista

Licenciatura em Medicina Dentária pela FMDUP; Especialização em Implantologia e Oclusão.