• Rastreio
  • Terapia da Fala

Rastreio em Terapia da Fala


Qual a importância do rastreio

A prevalência de perturbações da fala e da linguagem em idade pré-escolar pode ir até 36%. Existe uma grande relação entre estas perturbações e o desenvolvimento de dificuldades de literacia, resultados escolares e problemas comportamentais.

O rastreio em Terapia da Fala permite detectar e agir precocemente em casos que necessitem de intervenção, evitando dificuldades no rendimento escolar e no desenvolvimento psicoafectivo da criança. A intervenção terapêutica apresenta um prognóstico tanto mais favorável quando mais precocemente for iniciada.


Desenvolvimento da Linguagem

Aos poucos o bébé aprende a usar palavras para descrever o que vê, ouve, sente e pensa. Muito antes de um bebé murmurar a primeira palavra, ele aprende as regras da linguagem e percebe como os adultos a usam para comunicarem entre si. Uma criança demora os seus primeiros 2 anos de vida a aprender a falar. Começa por usar a língua, depois os lábios, o céu da boca e qualquer dente que vá aparecendo para produzir sons. Um "mamã" ou um "papá" pode escapar sem querer entre os 4 e os 5 meses. Entre 1 e 2 anos, poderá produzir frases com duas ou três palavras.

A fala está inteiramente ligada à audição, já que é a ouvir as outras pessoas conversarem que o bébé aprende os sons das palavras e a forma como se estruturam as frases.


Marcos de Desenvolvimento

Entre o 1º e o 3º mês, já é possível identificar um choro diferente para a fome e outro para a fralda, por exemplo. Aos 4 meses aparecem os balbucios . A vocalização é uma brincadeira para a criança, que faz experiências usando a língua, os dentes, o céu da boca e as cordas vocais para produzir todo tipo de sons engraçados. Ela diverte-se quando descobre que é ela quem faz tudo aquilo, fica estimulada a repeti- los e a procurar novos barulhos. Dos 6 aos 9 meses, a criança parece já produzir um diálogo bastante assertivo, não fosse a sua falta de conteúdo. No entanto, é através da imitação do padrão e tom de voz do adulto que isso acontece.

Dos 12 aos 17 meses, a criança já é capaz de utilizar algumas palavras com significado associando-lhes por exemplo um tom de interrogação. Nesta fase já existe uma consciência da importância da fala e do poder que a mesma lhe traz. Entre os 18 e os 24 meses, a criança vai passar a ter um vocabulário de até 200 palavras, sendo a sua maioria nomes. Aos 24 meses já conseguirá utilizar frases de 3 palavras e cantar canções simples. Dos 24 aos 36 meses, a criança possuirá um vocabulário de até 300 palavras. Aí já utilizará verbos na construção frásica, embora de forma simples. Quando fizer 3 anos, a criança usará a fala com mais sofisticação. Será capaz de manter uma conversa e ajustar o tom, os padrões de fala e o vocabulário ao parceiro da conversação. Usará, por exemplo, palavras mais simples com outras crianças, mas será mais sofisticado com um adulto. À medida que a criança cresce, ela fica mais tagarela. Ao entar no meio escolar irá começar a lidar com a habilidade complexa da escrita.


Sinais de Alerta

São vários os sinais de alerta que as crianças dão, ao longo do seu desenvolvimento, de que algo não está a correr como o previsto:

  • Ausência de vocalizações e não reacção aos estímulos sonoros durante o 1º ano de vida
  • Não reage ao nome, não brinca e não estabelece contacto ocular a partir do 1º ano
  • Aos 2/3 anos não compreende ordens simples, o discurso limita-se à produção de palavras isoladas
  • Aos 3/4 anos tem dificuldades na produção de frases e tem um vocabulário reduzido
  • Aos 4/5 anos não relaciona acontecimentos simples e omite/troca sons nas palavras
  • Aos 5/6 anos utiliza frases mal estruturadas e tem um discurso incoerente
  • Tem mais de 4 anos e gagueja
  • Fala alto e grita com frequência, ficando depois rouca
  • Dificuldades de leitura e escrita

Estes são sinais que alertam para alteraçes no padrão normal de desenvolvimento da criança.


Ficou com alguma dúvida?

Identificou o seu filho em algum deste sinais de alerta? Peça a opinião dos nossos especialistas.

Dra. Marta Rodrigues - terapeuta da fala

Licenciatura em Terapia da Fala pelo ISAVE.

Terapia da Fala


O que é a Terapia da Fala

A Terapia da Fala, como meio de intervenção específico para a Comunicação, Linguagem, Fala e Deglutição, foi originalmente criada para a recuperação de capacidades orais perdidas em adultos e voltada essencialmente para a recuperação da Fala. Actualmente, o campo de actuação do Terapeuta da Fala é substancialmente mais alargado, abrangendo todas as alterações de linguagem, de comunicação e de interacção de utentes de todas as idades bem como alterações na deglutição ou associadas. As dificuldades de comunicação verbal nas crianças são frequentes, nomeadamente nas idades pré-escolar e escolar, e podem ser manifestadas das mais diversas formas, tendo ainda várias razões de ser. A terapia da fala é a especialidade mais indicada para estas situações e, embora seja válida para pessoas de todas as idades, o ideal é sempre uma detecção precoce, de forma a iniciar um tratamento rápido e eficaz.


Em que casos é indicada

A terapia da fala é a mais indicada para detectar, avaliar, diagnosticar e tratar as diferentes dificuldades que possam estar a travar ou a dificultar o desenvolvimento da comunicação humana. O seu campo de acção não se limita apenas à fala, incidindo também sobre a reabilitação da linguagem, articulação, voz e gaguez, bem como os próprios actos de mastigar e engolir.

Dra. Marta Rodrigues - terapeuta da fala

Licenciatura em Terapia da Fala pelo ISAVE